O TRIÂNGULO DA EXPOSIÇÃO

Postado em 17/09/2015 por Carlos Ebert
img-triangulo-exposicao

Três variáveis – interconectadas e interdependentes, formam o trângulo da exposição. São elas: a sensibilidade do sensor/câmera, o tempo de exposição e a abertura do diafragma.

A sensibilidade do conjunto sensor/câmera depende diretamente do projeto, dos materiais e da engenharia, e não é absoluta. De nada adianta ter muita sensibilidade se a relação sinal ruído for baixa. Várias estratégias são usadas para aumentar a sensibilidade dos sensores. Cito algumas: A colocação de micro-lentes sobre os pixels para redirecionar a luz para os mesmos, aumento da área fotosensível do pixel, adoção de pixels com duas áreas distintas de captura de fotons, uma para baixas luzes e outra para as altas, mudança na geometria do array de pixels no sensor etc…

A segunda variável é o tempo em que a luz impressiona o sensor. As câmeras se utilizam em sua maioria de obturadores (shutter) eletrônicos, mas já existem câmeras de ponta que se utilizam de obturação mecânica semelhante àquela das câmeras foto-químicas. Os tempos de exposição são dados em frações de segundo, mas em casos excepcionais como em time lapse (intervalometro), podem chegar a casa dos minutos. Algumas câmeras expressam o tempo de exposição em ângulo de obturação, numa referência às câmeras de cinema que se utilizavam de obturadores mecânicos. Aqui, algumas correspondências entre ângulo do obturador e tempo de exposição, e a fórmula que permite calcular o tempo de exposição, a partir de uma cadência (fps) e de um ângulo de obturação

A terceira variável é a abertura do diafragma (íris), que deixa passar mais ou menos luz para o sensor. A escala dos diafragmas se baseia numa propriedade da geometria do circulo, que tem a sua área duplicada ao se multiplicar o seu diâmetro pela raiz quadrada de 2 (1,414…). Dai a escala 1, 1.2, 2, 2.8, 4, 5.5, 8, 11, 16, 22 etc, sendo os números fracionários arredondados.

Poderíamos imaginar que dobrando o tempo de exposição e fechando um ponto de diafragma teríamos o mesmo efeito na imagem que o da combinação tempo/abertura original. Errado. Embora a quantidade de luz seja a mesma, o tempo maior pode borrar coisas em movimento, e o fechamento do diafragma irá alterar a resolução da objetiva e aumentar a profundidade de campo.

As escolhas dos pares abertura do diafragma/tempo de exposição, devem atender às necessidades expressivas da narrativa audiovisual, e portanto não devem ser deixadas ao acaso. Usar o tempo de exposição para determinar a quantidade de luz que chega ao sensor sem considerar que isso irá gerar artefatos no movimento (flickering), é um erro. Para diminuir a quantidade de luz que chega ao sensor sem alterar o tempo de exposição devem ser usados filtros de densidade neutra (ND)..

O controle do desfoque do fundo da cena também pode ser regulado alterando-se o diafragma com filtros ND.

Agora é colocar todo esse conhecimento em uso, para obter aquela imagem incrível que você imaginou ao ler o roteiro. Boas imagens!